Papo de Natureba: Hortas Comunitárias e outras iniciativas

Cada dia que passa, ouvimos e vemos diversas iniciativas que transformam nossa cidade, as pessoas, a relação com espaço público, a relação com a natureza, enfim, muitos de nos tem despertado para agir e transformar, ao invés de reclamar e encontrar pontos negativos sem nada propor.

Aqui no espaço Prana, na parte da frente, fora do quintal, temos plantas medicinais, flores, as vezes alimentos, pois felizmente vemos diariamente pessoas parando para admirarar ou para colher, sozinhas, com bebês, com cachorros, idosos, jovens, mãe e filho, enfim, é muito bonito ver isso.

Uma historias que gostaria de compartilhar, ontem saindo do espaço, encontrei com uma senhora que todo dia passeia com seu amigo cão, e ela disse que “as plantas estão bonitas, mas você pensam em plantar o repolho de novo? era tão lindo, eu passava todo dia e ficava olhando ele!” foi fantástico ouvir aquilo e saber que um dia alguma outra pessoa que admirava foi ali e colheu, e sim, esta é a ideia! e apos eu responder que logo vamos plantar mais alguns alimentos ela sugeriu, “poderiam plantar cebolinha e salsinha”, e com certeza vamos fazer isso 🙂

Repolho.jpg

Ha algum tempo não víamos iniciativas como a nossa, mas bastou um dia uma caminhada atenta por nossa região, e vimos muitas delicadezas, plantas cultivadas para serem apreciadas por quem quisesse (pancs, medicinais, amoras, etc), a vida gerando vida, e unindo humanos, pássaros e outras especies, gerando um sistema mais harmônico…

Compartilho uma matéria de jornal para inspirar a todos nos ações, por menores que sejam, mas são ações e isso transforma. União da comunidade em prol de ações como esta só podem trazer bons frutos. E como esta escrito numa plaquinha que a Lu pintou e esta la junto as plantas, perto de onde o repolho ficava (…rs), as palavras de Gandhi: “seja a mudança que você quer ver no mundo”

Papo de Natureba: Utopia no Quintal – Permacultura e cidade

É necessário revermos nossos hábitos com relação a consumo e seus impactos para natureza, ja não é mais possível dizermos que isso é “papo de natureba, ecologistas e ecos isso e aquilo”, temos que olhar pra nossas ações e pensar que aspectos podemos melhorar no dia-a-dia afim de diminuir as agressões que causamos a mãe Terra e formas de reparar, curar, regenerar o que esta a nosso alcance, por amor a nos e a todas formas de vida…

Gostarias de conversar mais sobre este assunto e compartilharmos um pouco do que ja colocamos em prática e o que estamos em transição, afim de poder compartilhar e trocar experiências, sobre compostagem e diminuição na produção de lixos, transporte, alimentação, etc… segue um documentário que assisti esta semana e tem tudo haver com a conversa:

Utopia no quintal – Permacultura e cidade

Aproveitando, deixamos um convite para os amigos de Curitiba e região, amanhã (22/10) no passeio publico tem feira de trocas, incentivando práticas mais sustentáveis e conscientes 🙂

 

feira_trocas

Jardim Prana: Feijão de Vagem

Bom dia!

Faz alguns meses quando visitamos minha mãe (do Adri..rs), e la saboreamos deliciosos feijões de vagem, não tenho certeza se é este o nome, mas é uma planta trepadeira. Dai ela separou algumas sementes, e ensinou a época de plantar, pra prepararmos uma estrutura para que a planta se agarrasse e fosse desenvolvendo… plantamos e veja que graça elas ja estão:)

Primavera, Chuva, Sol, carinho e cuidado…tudo que nossas plantinhas precisam pra se desenvolver! olhem que lindo estas jovens plantas, que logo vão trazer pra nosso prato deliciosos feijões de vagem e mais sementes para multiplicarmos aqui no quintal e para outras pessoas!

Untitled design (40).jpg

Papo de Natureba: Seja a mudança que você quer ver no mundo

Untitled design (16)

Compartilhando vivências e reflexões desta semana…

Algo que vejo diariamente na região que moro, e vem aumentando é a derrubada das  árvores, com diversas argumentações… para quem não conhece aqui o espaço Prana artes & terapias, esta localizado no bairro Novo Mundo, em Curitiba, afastado do centro.

o corte de arvores, sempre me trouxe sensações de tristeza e de impotência, mas sempre há ações que estão ao nosso alcance, e ai que reside o impulso de transformar e viver de alguma forma aquilo que acreditamos ser o melhor, e como consequência influenciamos o nosso redor, é consequência natural e fruto da verdade, e não só de discursos… “faça o que eu digo, não faça o que faço” é um ditado interessante, podemos utilizar esta sabedoria popular para reforçar nossa responsabilidade e seguirmos nossos próprios conselhos…

Nos últimos tempos estando em contato com os ensinamentos da agrofloresta, vi nas situações das arvores a oportunidade de transformar aquela tristeza, numa ação positiva, coletar estes materiais para alimentar a Terra. Faz tempo que temos feito compostagem como caminhos de direcionar nosso lixo orgânico, e também da poda de plantas, assim como coletar em nossa rua as folhas de arvores secas, entre outras ações.

Ao invés de ficar resmungando passamos a pensar “o que podemos fazer nesta situação?”, temos economizado dinheiro com gastos que não fazem mais sentido em nossa vida, e aos poucos vamos nos instrumentalizando para nosso manejo do quintal, e ontem chegou nosso carrinho de mão! Agora ninguém me segura (…rs), e uma arvore que foi derrubada a duas quadras aqui de casa, vai gerar vida aqui na Terra!

Vamos seguir defendendo que não se derrubem arvores desnecessariamente, que se plante arvores, e se respeite estas nossas antigas e sabias irmãs, sejamos gratos!

Você ja deve ter lido esta frase, ou ouvido alguém cita-la:

“Seja a mudança que você quer ver no mundo”

quem compartilhou tamanha sabedoria e verdade foi Mahatma Gandhi, Líder pacifista indiano, que transformou a si com sua forma de pensar e agir, e conduziu uma revolução coletiva no processo de independência da Índia (que era colonia britânia) e ensinou sobre a não violência como caminho a vitoria em qualquer situação.

Para encher o coração de inspiração, vamos compartilhar um vídeo da Família Dervaes, que é um modelo que ensina pela vivência e inspira pelo que irradia, o quintal fala por si.. eles responderam: “Nos tornamos a mudança”.